PC ou notebook para edição de vídeos e fotos

Na hora de investir num bom equipamento para edição de mídia — sejam fotos ou vídeos —, uma dúvida paira: quais componentes escolher para ter um bom computador para trabalhar? Diante de tantas opções disponíveis no mercado, entre gerações de processadores, GPUs, memórias e seus minuciosos detalhes, é fácil se perder.

A importância da portabilidade


Embora proporcione maior versatilidade para os trabalhos no dia a dia, notebooks impõem certas limitações. A longevidade e personalização são uma delas. Os portáteis são pacotes fechados que pouco poderão ser modificados pelo usuário final e algumas das opções não contam com uma boa variedade de entradas para cobrir todas as necessidades de um profissional — como saídas de vídeo adicionais, entrada para cartões de memória e portas USB com Thunderbolt 4, que oferece velocidades de transferência de até 40 Gbps.

Contudo, essas são as únicas limitações para os notebooks. Atualmente, os mais recentes lançamentos de notebooks das faixas intermediária e topo de linha apresentam desempenho invejável e, quando equipados com processadores Intel, aproveitam de otimizações no consumo de energia e outros avanços para atender aos mais diversos tipos de público e propósitos.

Sendo assim, as CPUs Intel Tiger Lake de 11ª geração são uma excelente opção em dispositivos portáteis. Os processadores são equipados com tecnologia de ponta e performance que incluem capacidades gráficas e inteligência artificial que vão te ajudar e agilizar a edição de fotos ou vídeo.


Poder bruto no desktop

Se nos projetos limitados no escopo dos notebooks o resultado é promissor, nos computadores mais robustos não poderia ser diferente. Neste mês de março, a Intel anunciou os processadores Rocket Lake-S de 11ª geração para desktops para atender todo tipo de usuário — indo do básico, ao gamer e ao profissional.
Portanto, o mesmo acontece para a edição de fotos e vídeos. Os núcleos retrabalhados, agora conhecidos como Cypress Cove, acompanham as CPUs da linha mobile e introduzem melhorias significativas para o fluxo de trabalho audiovisual, igualmente proporcionadas pelos gráficos integrados e pelas otimizações da computação assíncrona.

Isso significa que os novos processadores têm inteligência artificial embutida — mais especificamente, aprendizado de máquina, aqui conhecido como Deep Learning Boost e suporte a VNNI (Vector Neural Network Instructions), ambos recursos que agilizam significativamente o fluxo de trabalho. Graças a isso, os componentes têm desempenho 18% superior em edição de fotos e 60% na produção de vídeos quando comparados com a geração anterior, os Intel Comet Lake-S.
E se você quiser comprar uma placa de vídeo dedicada, não tem problema. Os novos processadores Intel também dão uma força na hora de renderizar seus vídeos graças a um recurso chamado Resizable BAR, que faz os processadores enxergarem e usarem toda a memória VRAM das placas de vídeo para acelerar ainda mais o trabalho em edição de imagens e vídeos e produção de conteúdo.








FONTE:https://canaltech.com.br/produtos/pc-ou-notebook-para-edicao-de-videos-e-fotos-componentes-que-fazem-diferenca-181107/


Comentários (0)


Deixe um comentário